Já sentiu dor, dificuldade de movimento ou falta de força no ombro ou cotovelo? Pode ser tendinite! Saiba como a Fisioterapia Avançada pode aliviar os sintomas e tratar o problema! 

O que é a Tendinite e quais os principais sintomas?

O tendão é uma estrutura fibrosa, extremamente importante na transmissão da força entre músculo e osso e na proprioceção (capacidade em perceber a posição de cada parte do corpo em relação às demais). Apesar de ser uma estrutura muito resistente, capaz de suportar elevadas cargas e forças de tração, pode também estar sujeita a lesões, chamadas de tendinopatias. A inflamação do tendão – tendinite – é o tipo mais comum de tendinopatia.

Dor, edema (inchaço na região), vermelhidão, limitação do movimento e falta de força, são os sintomas mais frequentes associados a uma lesão do tendão e um dos motivos que traz utentes à Fisiovida.

Estas são as zonas do corpo que, normalmente, são mais afetadas: 

  • Ombro (tendões da coifa dos rotadores, particularmente o supraespinhoso; bicípite braquial);
  • Cotovelo (Flexores e extensores do cotovelo, chamado como cotovelo de tenista);
  • Tendão Quadricipital e Rotuliano;
  • Tendão de Aquiles;
  • Tibiotársica (tendão tibial posterior);
  • Entre outros.

O que pode causar a Tendinite?

Existem vários fatores de risco associados à tendinite ou tendinopatia. Pode haver uma predisposição biomecânica ou fatores sistémicos e metabólicos. A alimentação, a medicação e/ou outras patologias de base podem fragilizar os tendões e aumentar o risco de tendinite.

Frequentemente, associa-se à mudança brusca e inesperada de determinadas atividades, não tendo o tendão capacidade de dar resposta ao trabalho exigido. Os gestos repetidos e/ou executados de forma incorreta e a sobrecarga em movimentos específicos de determinados exercícios ou atividades físicas novas são na maioria das vezes as causas das tendinopatias. 

A identificação da tendinite ou outro tipo de tendinopatias, o grau de evolução e severidade da mesma, bem como a exclusão de outras possíveis causas para a dor são a prioridade para um tratamento 100% eficaz. 

Como tratar a Tendinite com Fisioterapia Avançada?

O principal objetivo da Fisioterapia Avançada é o alívio da dor, melhoria da mobilidade e da funcionalidade nu curto espaço de tempo. Por isso, a avaliação é muito importante!

A história clínica e os testes físicos são muito relevantes, assim como os meios complementares de diagnóstico como a Ecografia, a Tomografia Computorizada ou a Ressonância Magnética, que podem ser de grande ajuda para identificar a localização e a gravidade da lesão.Confirmado o diagnóstico, é importante entender o que originou a tendinopatia, para que seja possível selecionar as técnicas e métodos que a Fisiovida disponibiliza, por exemplo, técnicas de Mulligan, fibrólise com ganchos, técnicas de trigger points e miofasciais e eletropuntura. As ligaduras funcionais ou a utilização do Kinesio®Taping ou Dynamic®Taping permite estender o efeito pós-tratamento, melhorar o gesto técnico e diminuir a carga sobre a tensão. 

A EPI (Eletrólise Percutânea Intratecidular) tem demonstrado evidência científica relevante aquando do tratamento de tendinopatias em vários estágios de evolução, e este é mais uma técnica à disposição na Fisiovida. Além da abordagem em Fisioterapia Avançada, a Osteopatia e RPG (Reeducação Postural Global), são métodos que potenciam os resultados obtidos, a curto e a longo prazo.

Como o tendão é uma estrutura que necessita de movimento, o exercício terapêutico deve ser parte integrante da recuperação de uma tendinite, de forma a potenciar a regeneração do mesmo e, também, para melhorar os níveis de forma e para a reeducação dos padrões de movimento de forma a evitar sobrecarga sobre o tendão e prevenir novos aparecimentos. Recorra ao nosso espaço de Exercício Clínico e Otimização da Saúde (ECOS).

Dependendo da gravidade da lesão, o repouso seletivo pode ser necessário, bem como a modificação de determinados gestos técnicos no trabalho ou na atividade desportiva.

É importante esclarecer que, muitas vezes, o tratamento não passa apenas pela região dolorosa, sendo necessário entender que regiões subjacentes e/ou à distância podem estar a afetar e a impedir a correta recuperação da lesão. 

Dicas para prevenir Tendinite e outros problemas nos Tendões

O melhor tratamento é a prevenção. A identificação precoce de alterações posturais, padrões de movimento alterados ou de fatores que propiciem o aparecimento deste tipo de lesões é vital para realizar uma prevenção bem sucedida deste tipo de patologias.

O tendão é uma região com pouca vascularização, logo a capacidade para se regenerar é mais reduzida e demorada e o tecido conjuntivo pelo qual é composto necessita de tempo para se dar uma remodelação organizada. Por isso, é importante:

  • evitar movimentos repetidos quando possível;
  • fazer exercício de forma adequada e orientada por um profissional habilitado;
  • sujeitar os tendões a uma carga progressiva para que possam desenvolver uma maior tolerância às cargas do dia-a-dia.

Se sentir dor e outros sintomas, consulte imediatamente ajuda profissional. A Fisiovida tem profissionais qualificados em diferentes áreas, que o podem ajudar a resolver a situação em definitivo, para que possa desfrutar do dia-a-dia e da sua atividade física favorita. Saiba mais sobre o que é a Fisioterapia Avançada e quais as principais áreas de intervenção realizadas na Fisiovida.

Bibliografia

  • Abate M, Gravare-Silbernagel K, Siljeholm C, et al.: Pathogenesis of tendinopathies: inflammation or degeneration?Arthritis Research and Therapy. 2009, 11:235.
  • Cook J, Purdam C: Is compressive load a factor in the development of tendinopathy? British Journal of Sports Medicine. 2012, 46:163-168.
  • Littlewood C, Malliaras P, Bateman M, et al.: The central nervous system–An additional consideration in ‘rotator cuff tendinopathy’and a potential basis for understanding response to loaded therapeutic exercise. Manual therapy. 2013.
  • Malliaras P, Barton CJ, Reeves ND, Langberg H: Achilles and Patellar Tendinopathy Loading Programmes. Sports Medicine. 2013:1-20.