Radiofrequência: mas afinal o que pode fazer por mim?

A Radiofrequência tem andado na boca do povo, não só na cidade do Porto mas em todo o lado, e não é de agora. Especialmente nesta altura do ano proliferam anúncios, ofertas e descontos, que têm incluída a Radiofrequência, prometendo autênticos milagres como resultados. Mas afinal o que é que ela pode e não pode fazer por nós? Dar resposta de forma clara, precisa e concisa a essa questão, é o objetivo deste artigo.

A radiofrequência é particularmente útil quando (por ordem decrescente):

Existe flacidez superficial e profunda da pele, como nos casos de:

  • “Avental” abdominal e pele em excesso após emagrecimento acentuado, com a ressalva que em casos graves, não é possível evitar a cirurgia plástica e reconstrutiva;
  • Recuperação da flacidez pós-parto;
  • Rugas marcadas, bochechas caídas e “duplo queixo”;
  • Pele caída à volta dos joelhos;
  • Celulite flácida;
  • Estrias;
  • Entre outras.

    É necessário preparar os tecidos para outro tratamentos, como nos casos de:

  • Cicatrizes aderentes;
  • Queimaduras com retrações;
  • Edemas duros;
  • Entre outras.

    É preciso aumentar a nutrição dos tecidos, para:

  • Acelerar regeneração dos tecidos;
  • Facilitar algumas fases da cicatrização.

    O que é e como atua?

    A Radiofrequência, é sobre tudo uma tecnologia muito eficaz na geração de calor profundo, através de campos elétricos e magnéticos. O calor intenso é o principal fator que explica os seus resultados na flacidez, porque provoca aumento da quantidade de colagénio (componente que dá tensão à pele) e elastina (componente que confere elasticidade), melhorando assim a qualidade da pele e consequentemente o seu aspeto.

    Efeitos sobre a gordura?

    Tem algum efeito na diminuição do tamanho das células de gordura (adipócitos), mas discreto, pelo que não é uma das ferramentas de eleição no combate à gordura localizada, a menos que esta esteja associada à flacidez, como pode ser o caso da celulite flácida.

    Em quanto tempo começo a ver os resultados?

    No caso da flacidez, desde a primeira sessão. O seu efeito imediato de lifting deve-se ao efeito do calor intenso nos elementos estruturais da pele. A este soma-se um efeito crescente até 21 dias após a aplicação que se deve ao estímulo da actividade de células como os fibroblastos, que são responsáveis pela deposição de colagénio.

    Para além disto, na FISIOVIDA, conseguimos trabalhar a diferentes profundidades, em função das características individuais de cada utente e da profundidade das camadas alvo, para que a intervenção seja ajustada à sua medida.

  • Ainda tem dúvidas acerca das potencialidades desta técnica?Contacte-nos