Qual a relação do nosso intestino com a Depressão?

SEROTONINA E INTESTINO
É comum falar-se da serotonina (neurotransmissor do “bom humor”), quando se fala de depressão. Grande parte da produção de serotonina ocorre a nível intestinal, sendo que no intestino podemos encontrar a maioria dos recetores da serotonina (locais onde exerce a sua ação).
É necessário triptofano (um aminoácido que só pode ser obtido através da dieta) para produzir serotonina, sendo que as vias metabólicas da sua produção a partir do triptofano (os “caminhos” que podem ser utilizados para a sua produção) dependem do tipo de bactérias presentes no nosso intestino.
Na depressão pode ocorrer uma “anomalia” na forma como o triptofano é utilizado pelo organismo, o que por sua vez afeta a produção de serotonina e o surgimento de sintomas depressivos.

DEPRESSÃO COMO CONSEQUÊNCIA DO AUMENTO DO PROCESSO INFLAMATÓRIO
Em muitos casos de depressão, verifica-se um aumento da inflamação do organismo. Na presença de inflamação intestinal, a inflamação é “transmitida” ao cérebro e surgem sintomas depressivos. Um intestino “saudável” é por isso essencial para um bom humor, sendo reconhecido há já bastante tempo a relação entre a presença de problemas a nível intestinal e várias condições mentais.
Mesmo quando pessoas “saudáveis” apresentam um processo inflamatório aumentado, surgem sintomas depressivos, sendo que a implementação de terapêuticas com caráter anti-inflamatório levam à remissão da depressão e aqui o papel da dieta é fundamental.

MICROBIOTA INTESTINAL (TIPO DE BACTÉRIAS PRESENTES NO INTESTINO) E DIETA
O tipo de bactérias presentes no nosso intestino é facilmente influenciado por diversos fatores tais como:

  • Dieta: É um dos principais fatores que afeta o tipo de bactérias presentes no nosso organismo e a forma como desempenham as suas funções no organismo. A presença de bactérias “benéficas” assegura que as funções do organismo aconteçam de forma correta e a presença de bactérias nocivas prejudica estas funções vitais. Uma dieta desequilibrada, por exemplo: com ingestão de alimentos pouco saudáveis, alimentos que não são tolerados pelo próprio organismo, a presença de défices nutricionais (por ingestão insuficiente ou por necessidade aumentada devido a fatores genéticos) afetam o tipo de bactérias presentes no nosso intestino e predispõe para o surgimento de sintomas depressivos;
  • Toma de antibióticos;
  • Padrões de sono desregulados.

    CONCLUSÃO
    A sua dieta pode estar a ter um impacto negativo no seu humor, pode ser a causa da sua depressão, ansiedade e pode estar a afetar a sua memória e até mesmo a forma como reage aos acontecimentos do dia a dia.
    Na verdade são processos bioquímicos (processos essenciais que ocorrem no organismo) altamente complexos e influenciados pela dieta.

    A frase de Hipócrates aplica-se também aqui: “Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”.
    Existem vários fatores que contribuem para a depressão mas o papel da microbiota intestinal e os benefícios da Nutrição são indiscutíveis. Cada caso é um caso, tornando fundamental a avaliação individual e uma terapêutica personalizada.

    Autora do artigo:

  • Dra. Paula Ramos – Especialista em Nutrição Funcional na FISIOVIDA

    BIBLIOGRAFIA:

  • Waclawiková, B. Role of Microbiota and Tryptophan Metabolites in the Remote Effect of Intestinal Inflammation on Brain and Depression. Pharmaceuticals (Basel). 2018;11(3);
  • Dinan T. Microbes, Immunity, and Behavior: Psychoneuroimmunology Meets the Microbiome. Neuropsychopharmacology. 2017; 42:178–192;
  • Rogers, G et al. From gut dysbiosis to altered brain function and mental illness: mechanisms and pathways. Molecular Psychiatry. 2016;21:738–748;
  • Jenkins, TA. Influence of Tryptophan and Serotonin on Mood and Cognition with a Possible Role of the Gut-Brain Axis. Nutrients. 2016; 20:8(1);
  • Haroon, E. et. al. Psychoneuroimmunology Meets Neuropsychopharmacology: Translational Implications of the Impact of Inflammation on Behavior. Neuropsychopharmacology. 2012; 37(1): 137–162;
  • Jacka FN. Nutritional Psychiatry: Where to Next? Neuropsychopharmacology Reviews. EBioMedicine. 2017; 17:24-29;
  • Khan, W. The Role of 5-HT Dysregulation in Inflammatory Bowel Disease. Gastroenterol Hepatol (N Y). 2013; 9(4): 259–261;
  • Asha, T. et. al. Understanding nutrition, depression and mental illnesses. Indian J Psychiatry. 2008; 50(2): 77–82.