O Whiplash ou “golpe de Chicote” e a ajuda que a Osteopatia pode dar

Ouvimos com frequência no consultório este tipo de testemunho:

“Bateram-me no carro, dei um “mau jeito” no pescoço e fiquei cheio de dores…Mas fui ao hospital fizeram-me um RX e disseram que estava tudo bem com a minha coluna…Deram-me como medicação, um relaxante muscular e um anti-inflamatório para tomar. Ao final de uns dias recuperei totalmente!”

Será que, mesmo apesar do RX demonstrar que está “tudo bem” com a coluna, esta saiu totalmente ilesa do whiplash e não poderá gerar problemas futuros?!!…..

A Osteopatia é um dos métodos que utilizamos na FISIOVIDA com melhores resultados no tratamento deste tipo de problemas!

O que é o WHIPLASH?
O whiplash, ou mais vulgarmente conhecido por “golpe de chicote”, corresponde a um mecanismo de aceleração-desaceleração brusco do pescoço.

A maioria dos casos ocorre em impactos traseiros em acidentes de viação, mas também pode resultar de impactos frontais ou laterais, ou até de incidentes de mergulho, quedas ou de qualquer trauma em que a cabeça faz um movimento de hiperextensão seguido de flexão.

Quais são as consequências do WHIPLASH?
Esta desaceleração brusca da cabeça irá induzir ao nível de toda a coluna vertebral diversas alterações, tanto a nível ósseo como de tecidos moles, que poderão ir de fraturas/luxações até distenções músculo-ligamentares e desajustes biomecânicos. Os sintomas não tardam em aparecer, sendo os mais frequentes dor de pescoço, dor de cabeça, restrição da mobilidade cervical, dor de garganta, tonturas, visão turva e zumbido.

Qual a importância da Osteopatia?
A Osteopatia irá reajustar a biomecânica vertebral e crânio-sacra que fica sempre implicada nestas situações. São usadas diversas técnicas que irão corrigir lesões articulares a nível de toda a coluna e bacia, inibir espasmos musculares e tensões fasciais principalmente a nível do pescoço, restaurar a insuficiência circulatória da artéria vertebral e recuperar lesões da cadeia simpática cervico-dorsal, responsáveis pelos distúrbios visuais, tonturas e zumbido, etc. Poderão ser técnicas manipulativas, de mobilização, técnicas neuromusculares, miofasciais e cranio-sacras, de acordo com a avaliação detalhada feita pelo osteopata no início da cada sessão.

O tratamento osteopático deverá ser feito o mais precocemente possível a fim de evitar a perpetuação dos sintomas, muitas vezes altamente incapacitantes a nível físico e emocional, durante meses e até mesmo anos. Para além disso, quanto mais cedo se inicia o tratamento, mais rapidamente ocorre a recuperação do episódio traumático.

Esta é mais uma condição patológica em que o osteopata irá avaliar e tratar não só a região dos sintomas mas também todo o organismo que, em consequência do traumatismo, ficou com disfunções a vários níveis. Daí a importância da abordagem global que caracteriza a FISIOVIDA nunca esquecendo a individualidade de cada situação.

Osteopatas especializados com 10 anos de formação!Contacte-nos