DPOC e a Fisioterapia Avançada

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é uma doença respiratória crónica que está frequentemente associada ao fumo do tabaco e que engloba duas condições: a bronquite crónica e o enfisema pulmonar.

A bronquite crónica é uma obstrução ou aperto irreversível dos brônquios que desencadeia tosse e expetoração praticamente diária, pieira/chiadeira e falta de ar. O enfisema pulmonar é uma lesão do tecido pulmonar (alvéolos) que induz falta de ar durante o esforço (caminhar e subir e descer escadas) e, posteriormente, no dia-a-dia em tarefas simples como carregar compras, vestir-se, tomar banho, pentear-se, etc.
É frequente, principalmente nos meses do outono/inverno, ocorrer uma exacerbação. São geralmente desencadeadas por infeções respiratórias (gripe, constipação, bronquite e pneumonia), poluição ambiental e alterações de temperatura (calor ou frio extremo, vento e humidade). Normalmente está associada ao agravamento dos sintomas, com o aumento da dispneia/falta de ar, a expetoração mais espessa e mais abundante e o aumento da tosse e pieira.

Além do tratamento farmacológico (broncodilatadores, corticoides, antibióticos) e do suporte respiratório (oxigenoterapia, ventilação mecânica não invasiva), a Fisioterapia Respiratória, através de técnicas de remoção de secreções, exercício, exercícios de mobilidade torácica, posicionamentos e exercícios respiratórios, tem um papel fulcral na evolução da doença e das suas complicações.

Tem como objetivo a remoção das secreções, facilitar a ventilação/respiração e as trocas gasosas. O número de sessões é variável, dependo da gravidade da exacerbação/infeção respiratória e cada sessão deve ter uma duração máxima de 45 a 60 minutos.
Para evitar o contacto com outras pessoas que possam estar constipadas, as mudanças de temperatura e/ou humidade, as correntes de ar e as salas de espera na clínica ou hospitais, a FISIOVIDA tem uma solução mais cómoda para si. Dispomos de serviços ao domicílio, onde o(a) Fisioterapeuta especialista desloca-se a sua casa, garantindo assim uma intervenção num contexto confortável e familiar ao cliente.
Numa época do ano em que as urgências hospitalares possam estar entupidas principalmente com doentes respiratórios, a FISIOVIDA pode ajudá-lo e aconselhá-lo, podendo evitar o recurso às urgências e longas horas de espera, e o contacto com outros doentes respiratórios.

Autora do artigo: Dra. Lisa Robalinho – fisioterapeuta FISIOVIDA

Escolha a diferença! Escolha a metodologia avançada!Contacte-nos